Plugin que integra o Remember The Milk ao Gmail é genial!

Remember The Milk é um excelente gerenciador de listas de tarefas. É realmente muito poderoso e, depois que você pega o jeito com os atalhos de teclado, muito fácil de usar.

Percebendo que uma ótima maneira para que uma pessoa não esqueça do leite é pedindo para o leiteiro deixá-lo junto com a correspondência, agora eles inventaram um plugin que enfia o RTM dentro do gmail.

Acontece que não é um simples enxerto, como fazem alguns plugins - simplesmente abrem um quadrado com o programa do jeito que é originalmente abrindo em cima da interface do gmail. Não! Ele é totalmente integrado ao próprio gmail.

Interface mais simples, mostrando somente o essencial.

Pra começar a interface do plugin é ainda melhor, na minha opinião, do que a do próprio RTM. Ao serem forçados a fazer uma interface pequena, eles foram obrigados a tirar da cara do usuário tudo que não era absolutamente essencial e colocar as funcionalidades mais avançadas em telas a serem descobertas (quando passa-se o mouse sobre uma tarefa por exemplo). Bem, não sei se eles concordam, mas pra mim pelo menos essa é a regra para fazer uma interface simples, fácil e ainda poderosa.

Integração com o gmail.

rtm_gmail.png

O plugin ainda cria tarefas automaticamente quando você coloca uma estrela em uma mensagem (se você quiser, pois isso é configurável), ou quando coloca uma determinada tag (que você escolhe). Ele reconhece automaticamente datas do google calendar e também contatos do gmail, criando funcionalidades integradas a esses dois serviços.

Além disso a interface segue quase perfeitamente a identidade visual do gmail, fazendo com que pareça simplesmente uma nova funcionalidade do serviço - e quem sabe um dia não será, dependendo do sucesso que esse plugin fizer…

Saiba mais na página do plugin do RTM para Gmail e veja ele funcionando nesse screencast.

dataportability.org | finalmente uma ação para abrir o grafo social

Já falamos aqui sobre o manifesto de Brad Fitzpatrick sobre a abertura do grafo social. A idéia geral, que na época desta postagem era mais um sonho, uma utopia, era que os usuários pudessem ser realmente donos do conteúdo que produzem, resumindo assim:

  • Você deveria ser dono da sua rede social
  • Privacidade deve ser levada a sério, deixando o controle nas suas mãos.
  • É bom ser capaz de encontrar aquilo que já é público sobre você na internet.
  • Todo mundo tem várias redes sociais, e elas não precisam estar sempre conectadas.
  • Tecnologias abertas são os melhores meios para se resolver estes problemas.

dataportability.org é um passo concreto para a abertura do grafo social

dataportability.png Agora essa idéia passou de um sonho. Há uma ação concreta no sentido de deixar que as pessoas aproveitem a colaboração na web como a web realmente é: uma plataforma. Sendo uma plataforma, não um banco de informações, não fazia sentido - pelo menos para uma empresa que diz colocar os usuários em primeiro lugar - que um serviço prendesse as informações das pessoas.

O detalhe é que há muito tempo a tecnologia necessária para tornar isso real já existe. Mas tecnologias sozinhas não inventam nada. É aí que entra o pessoal do Dataportability.org. Sua missão é juntar essas tecnologias já existentes - como apml, openID, microformats, RDF, RSS, OPML, Oauth - para criar uma referência de design e melhores práticas para a portabilidade de dados.

Além disso, precisam promover esse design para a comunidade de desenvolvedores, empresas e usuários. Para ajudar nessa tarefa, criaram um selo que identificaria os serviços participantes, assim como o “intel inside” com computadores que rodam o processador intel.

Mas que adiantaria tudo isso se as principais comunidades que todas as pessoas utilizam não apoiassem o movimento? Aí é que está a grande notícia:

Gigantes como o Google já participam do projeto.

Segundo o blog read/write/web, gigantes do mercado de comunidades como Google, Facebook, SixApart, Flickr e Twitter já estão participando. Cada um enviou um representante oficial para ajudar. Quem representará o Google no projeto será o próprio Brad Fitzpatrick, criador do OpenID e líder do OpenSocial (iniciativa do Google para criar um padrão industrial para criação de widgets para comunidades).

Com esses gigantes participando da jogada, provavelmente o resto do mercado de comunidades será pressionado a participar e abrir seus dados também.

Um futuro melhor para usuários e desenvolvedores.

Há quem diga que esse deve ser um momento muito importante na história da web. O momento em que os usuários poderão controlar seus dados, levar facilmente seus amigos para lá e para cá, entre as diversas plataformas da web.

Para os desenvolvedores será o dia em que eu poderei criar um site colaborativo e não precisar me preocupar em concorrer com o orkut ou outra comunidade, os serviços se complementarão em vez de rivalizarem entre si prendendo os dados dos usuários para que eles não possam migrar para o rival.

Assim, se eu criar um novo site, melhor que o orkut, as pessoas poderão mudar para ele se quiserem, sem se preocupar em ter que convidar um a um todos os seus amigos, suas preferências de privacidade, seu perfil, etc.

800 leitores por RSS! OBRIGADO!

O Prática chegou à sonhada marca de 800 leitores por RSS!

Em um ano de blog, é um resultado e tanto.

Muito obrigado a todos!

Vaga para programador na desta.ca

Ano passado foi bom para a desta.ca. Uma das coisas boas é que nós conseguimos muito trabalho. Tanto que agora estamos precisando de alguém para ajudar na programação.

Será o cara responsável por ajudar a gente a desenvolver software dos nossos empolgantes projetos secretos. Deve saber se virar em HTML, CSS, JavaScript e PHP. Se souber Java é ótimo, porque trabalhamos com o GWT.

Portanto, se você mora em São Paulo e quer aprender muito - por enquanto nós estamos procurando um Padawan, não um mestre Jedi - por favor, fale conosco através deste formulário-currículo.

Se você conhece alguém que se encaixa no perfil, também agrademos a indicação.

multipostagem: Wordpress 2.3, Netscape RIP e Netmovies.

Tenho algumas coisas pra comentar, resolvi fazer tudo numa postagem só.

Wordpress 2.3

A nova versão do Wordpress, 2.3, não é novidade nenhuma. A novidade é que eu atualizei o Prática e quero comentar o processo.

Como eu uso tags no lugar de categorias, eu estava bem preocupado em como seria na hora de atualizar, já que eu usava o plugin Ultimate Tag Warrior. Pois para minha surpresa - não sei porque, já que o wordpress é realmente muito bacana - o novo wordpress tem um importador que faz a transição entre o UTW (que foi descontinuado pela autora) e o novo sistema de tags nativo do Wordpress 2.3 automaticamente. O processo é tão complicado quanto instalar um software no windows: next, next, next, next, next, finished.

Senti falta de algumas coisas que o UTW tinha, como degradê de cores para a nuvem de tags e a possibilidade de gerenciar as tags (renomear, editar, etc). Para resolver isso, instalei o plugin simple tags.

O que mais gosto da nova versão do wordpress é o novo editor wysiwyg. Nele o corretor ortográfico do Firefox funciona. Além disso, ele parece ser muito mais leve que o anterior, que tinha um delay na hora de digitar que fazia com que eu sempre usasse a aba “código”.

Nota de falecimento: Netscape Navigator (1994-2008)

netscape_navigator_20.pngO saudoso navegador Netscape morreu. Na época em que o IE era realmente ruim (quem se lembra do IE 4 acha o 7 maravilhoso), a mesma energia gasta hoje pelos evangelizadores do Firefox era dirigida ao Netscape.

Bem, a AOL, que comprou o bichinho, resolveu desistir do mercado de browsers e não vai mais atualizar o produto. Em homenagem a essa época, estou usando o theme do netscape 9 para firefox, última tarefa dos 3 últimos caras que trabalharam no produto na AOL. Outra opção é o Foxscape, que simula a versão antiga do navegador.

NetMovies

A dica foi do Marco Gomes, no twitter: “Acabo de assinar a NetMovies depois de ouvir os merchans do @jovemnerd . Já coloquei 20 e tantos filmes na fila!“. Bem, eu fiquei impressionado com a idéia, e com a beleza e usabilidade do site e assinei também.

netmovies.pngCris dias explica:

A idéia é a de uma locadora de DVDs onde em vez de pagar por filme visto o associado paga um valor fixo por mês que dá direito a ficar com um certo número de discos por quanto tempo quiser. Se o cinéfilo for fominha pode devolver um filme para receber outro no mesmo dia. Se for como a maioria dos seres humanos vai ficar enrolando ao máximo.

Já que acabei de cancelar a SKY - porque pagava e não tinha tempo de ver, quando tinha tempo não passava nada que prestasse -(Atualização, 5/1/07: Liguei para a sky para discutir uma conta (a última, de janeiro) que eu achava que não devia pagar e eles me convenceram de que tenho que pagar sim, e ainda me convenceram a continuar com a assinatura, com um desconto permanente de 35% na assinatura, mas mesmo assim:) o NetMovies veio bem a calhar.

Tenho certeza que agora vou ver mais TV do que via antes, já que o serviço tem um acervo enorme de filmes de arte e clássicos que eu sempre fui doido pra ver mas nunca achei em lugar nenhum pra alugar.

2008 será o ano das coisas.

Eu acredito que ano que vem nós vamos ver a web semântica saindo do armário dos cientistas da computação e dos teóricos e aparecendo na nossa vida real. Algumas coisas me convencem disso. Vejamos:

Movimento pela abertura do Grafo Social.

Não, isso não tem nada a ver com o open social do google. É a idéia de usar microformats para poder acompanhar as relações entre as pessoas, sem que isso esteja preso a um software proprietário. Falamos disso aqui.

Falando sobre isso, Tim Berners-Lee propõe uma divisão daquilo que chamamos de internet em três camadas. A primeira, que chamamos de net ou III (International Information Infrastructure), foi feita para interligar computadores. Então alguém percebeu que o importante não é interligar computadores, mas documentos, então veio a segunda camada, a WWW (World Wide Web), que interliga documentos.

Documentos não interessam: coisas interessam!

Somente agora estamos entendendo que o mais importante não são os documentos em si, mas as coisas (conceitos, pessoas, locais, eventos, etc.) sobre o que eles falam. Eu não tenho interesse em ir ao site da cia aérea, mas em saber sobre o meu vôo. Se eu puder “assinar” todo conteúdo sobre exatamente o meu vôo para o Paraná, então não interessa em qual documento esse conteúdo estará.

Esta é a terceira camada, que Tim está chamando de GGG - (Giant Global Graph), que também é chamada de web semântica ou (eca) web 3.0.

Marcas dialogando com o consumidor em um outro nível.

Nesta camada o conceito antigo, trazido das mídias tradicionais (jornal, revista) de espaço publicitário vendido por tamanho já não vai poder ser aplicado, pois uma pessoa poderá “assinar” conteúdos relacionados a um conceito e receber estes conteúdos em diversos tipos de interfaces.

Então as marcas deverão aprender a dialogarem com o consumidor em um outro nível: o da camada social - que chamamos de social mídia. Então não será mais possível empurrar propaganda goela abaixo (interrompendo ou atrapalhando o conteúdo que realmente interessa à pessoa), mas o consumidor vai procurar o serviço que precisa e então encontrar a marca que mais lhe interessa.

Com certeza vai demorar até chegarmos neste nível, mas creio que no ano que vem deveremos começar a ver ações no sentido de tentar entender como as marcas podem aproveitar estes espaços e como podem se posicionar num diálogo aberto, franco e pessoal com seus clientes, aproveitando a inteligência coletiva para agregar valor para a própria marca, para seus colaboradores e seus clientes.

Firefox operator

Tudo isso é muito abstrato enquanto estamos imaginando o que virá no futuro. Mas já existem coisas que colocam em prática toda essa teoria. Uma delas é a extensão para firefox chamada Operator. Ele lê tudo que há de microformats na página que você está visitando e lhe permite navegar num nível semântico.

Por exemplo, nesta página tem a tag “grafo social”, com o Operator eu posso buscar páginas no delicious ou do youtube salvas com essa mesma tag. O mesmo serve para contatos, eventos (que podem ser salvos diretamente no google calendar), locais (que podem ser pesquisados diretamente no google maps), entre outros tipos de dados tratados especificamente com microformats.

Abaixo você pode ver um vídeo, Web Semântica para noobs, que explica (em inglês) de maneira bem didática essa coisa toda.

Feliz Natal! Feliz Ano Novo!

Ano passado eu fiz uma previsão para o ano de 2007. Falhou miseravelmente.

Bem, como sei que vou falhar de novo, vou prever sem me preocupar em acertar: Em 2008 as pessoas do mundo vão entender que pobreza não é uma coisa legal e vão resolver dar um jeito nisso. Também vão parar de destruir o planeta, porque é um tiro no pé - e tiros no pé doem bastante. Todos vão ser legais uns com os outros, sem que ninguém tenha que morrer por isso. Todos vão trabalhar naquilo que gostam e mesmo assim terão tudo que precisam pra viver; até mesmo os artistas independentes. Uma criança nascerá e todos os soldados verão seu sorriso e entenderão que guerra é uma coisa muito ruim, resolvendo então parar com essa bobagem. Ah! E os investimentos em internet vão continuar crescendo :)

A todos que acompanharam o nascimento e o crescimento deste blog, aos setecentos e tantos assinantes, aos milhares de paraquedistas, aos amigos-clientes e aos clientes-amigos, aos amigos de trabalho e de luta, aos colegas blogueiros (teria sido melhor dizer “a todos”, mas como sabem, eu sou meio prolixo), enfim, a todos:

Um Grande Abraço!

Feliz Natal!

Feliz Ano Novo!