Clones e criatividade.

Porque não chamamos o Google de Altavista-Clone?
Porque não chamamos o Gmail e o Yahoo Mail de Hotmail-Clone?
Porque não chamamos o Wordpress.com de Blogger-Clone?

Porque são serviços genéricos demais para pertencerem a uma única marca.

No entanto, toda vez que aparece por aí um novo site de social-news, é chamado de digg-clone, de maneira pejorativa. É o caso de sites como o Rec6, eu curti, Linkk, websapiens, entre tantos outros por aí.

Instale o Plig e sonhe em ser o digg brasileiro.

A maioria dos digg-clones brasileiros (exceto o Rec6) usam o Plig. Um sistema opensource de social news.

Não há absolutamente nada de errado em usar um software pronto. Pelo contrário, é ótimo contribuir para um projeto como estes. O problema é quando há falta de criatividade na hora de inventar o produto em si. Qualquer um pode instalar o Plig. Mas não é qualquer um que cria uma boa comunidade de notícias.

Se é pra criar um digg-clone, seja criativo.

Rogelio Bernal, criador do CoRank - um serviço para criar sua própria rede social de notícias - escreveu um artigo muito interessante sobre isso para o blog Read/Write Web.

Segundo ele, a maioria dos sites que utilizam o Plig por aí, principalmente os não-estadunidenses, são realmente digg-clones: têm o mesmo aspecto visual, o mesmo propósito, focam o mesmo nicho, o mesmo assunto, a mesma abordagem…

No entanto, na sua experiência no CoRank, ele viu aparecerem sites que utilizam o mesmo sistema de postagem e votação de links mas que são projetos muito criativos, muito diferentes do Digg.

Exemplos de criatividade.

Um exemplo muito interessante que ele mesmo citou é o vou ou não vou, um site onde o usuário posta perfís do orkut e os usuários votam nos melhores. Usa o mesmo sistema do digg, mas é completamente outra coisa.

Outros exemplos de utilização são: site de um político, para promover sua campanha e idéias; site de notícias sobre um determinado nicho de mercado, no caso de Capital de risco; enfim, há uma infinidade de idéias que podem ser exploradas dentro deste mesmo sistema.

O caso do outrolado.com.br

Quando criamos o outrolado.com.br, eu e Vicente Tadin, o editor do Webinsider, nos debruçamos sobre modelos que já estavam fazendo sucesso por aí. Entre eles o slashdot, o overmundo, o SP450 e também digg.

Mas a proposta do outrolado, embora seja o mesmo assunto que o digg (que o webinsider já abordava desde muito antes do digg existir), é bem diferente do digg: não publicamos links, mas matérias completas. Além disso nós repartimos a receita gerada através de Adsense com os colaboradores.

Conclusão

Não há nenhum problema em usar um modelo já estabelecido de negócio. Muito pelo contrário. Mas é muito importante ser criativo e fazer um bom produto. Copiar um site sem acrescentar nada ao modelo não é uma boa receita para o sucesso. No mínimo, alguém que copia um site de sucesso deve ter a pretensão de se diferenciar neste mercado e fazer melhor do que o anterior.

Postagens relacionadas


8 respostas para 'Clones e criatividade.'

  1. Marilica Diz:

    Esqueceu do Mugg ( http://www.mugg.com.br ) !
    Acabou de nascer; utiliza pligg e com muita criatividade, obrigada! :P

  2. Thássius Diz:

    Para que apenas copiar, se pode-se utilizar como base e fazer algo ainda melhor? O Google começou assim, como você mesmo disse.

  3. Richard Barros Diz:

    Sim! Eu também lembrei do Mugg enquanto lia. Toda criação é baseada (ou deveria ser) em uma pesquisa de mercado e da concorrência. O desenvolvimento é feito em cima do produto correspondente de maior sucesso e o estudo é feito corrigindo os erros projetuais dele. Não dá pra seguir um caminho tangencial e ignorar as boas sacadas da concorrência. O importante é somar. E com criatividade! Parabéns pelo artigo!

  4. rene Diz:

    gil, voce nao esta’ advogando em causa propria?

    r’

  5. Gilberto Jr Diz:

    Oi rené… Não… o outrolado está muito distante do digg.

    Mas já advoguei em causa própria aqui:
    http://desta.ca/pratica/2007/03/21/outrolado-nao-queremos-ser-outro-digg/

  6. Allan Panossian Diz:

    Olá Gilberto, sou o Allan, gerente do Rec6.

    Concordo com sua posição de que uma cópia básica de um serviço não agrega nada. Quando lançamos o Rec6, estavamos atrás de um gap que existia entre o mercado americano e o nosso.

    Com o surgimento de várias ferramentas “digg-like” começamos a aprofundar mais o conceito do Rec6. Lançamos recentemente a funcionalidade de adicionar uma notícia ao perfil da Via6 e estamos preparando algumas novas ferramentas para tornar o Rec6 cada vez mais relevante e interessante para o usuário.

    Parabéns pelo post e blog.

    Abraços
    Allan

  7. RadarCultura | Co-Criação online de programa de Rádio » Prática Diz:

    […] já dissemos aqui, não importa muito se um site “clona” funcionalidades de outro site, como neste caso o […]

  8. social news tem crias pelo mundo afora « social media club Diz:

    […] aí. Foi quando eu li outro post, muito bem produzido, informando que o Digg tem mais de 380 “clones“, por tipo de indústria, formatos e públicos. Novamente, senti o poder silencioso da web. […]

Deixe seu Comentário