Na última versão do Firefox, o novo Gmail não trava mais.

gmail.jpgEu fiquei realmente empolgado com a nova versão do Gmail. Porém, desde que surgiu, meu firefox começou a travar sem parar - justamente ao usar o Gmail.

Fiquei num beco sem saída: Usar o Gmail novo era terrivelmente irritante porque o firefox travava, no entanto, voltar para a versão antiga era também irritante porque comparando com a nova esta era muito lenta. Na dúvida entre as duas irritações, eu fiquei com os travamentos (que acontecem na versão 2.0.0.9 do Firefox, tanto no Windows XP quando no Ubuntu).

Última versão do Firefox resolve o problema.

Agora a pouco, procurando uma resposta no Grupo do Gmail, encontrei uma mensagem de um brasileiro, Aleagi, que disse que ao instalar a versão 2.0.0.10 RC1 do Firefox, “seus problemas terminaram”. Testei e funcionou! Valeu Aleagi!

Comunidade-Suporte é mais competente que suporte tradicional.

Enquanto o suporte do Google, presente no grupo, só disse que era preciso esperar que a migração da interface antiga para a nova fosse terminada e que não havia qualquer solução à vista, um usuário simplesmente achou a solução e resolveu o problema. Aliás se alguém até aqui ainda tinha dúvidas sobre o uso de fóruns abertos para suporte em vez de responder usuário por usuário, este é mais um caso a favor da comunidade-suporte.

A web está na era da consolidação

O blog LibraryHouse fez esta tabela de comparação das compras de empresas feitas pelo Google, Microsoft e Yahoo. É muito interessante reparar como o número de aquisições está acelerando ao longo do tempo.

gym.GIF

Estamos numa fase de consolidação da web.

Tim O’Reilly acredita que isso significa que a web está entrando numa fase de consolidação, na qual em vez de muitas startups, alguns grandes players dominam o mercado. Ele diz que o mercado segue este ciclo:

  1. Uma série de inovações;
  2. Algumas grandes empresas emergem a partir destas inovações;
  3. Muitas startups seguem estas grandes empresas;
  4. Uma fase de aquisições, seguida por
  5. uma falha em prosperar à sombra dos gigantes;
  6. A indústria começa a estagnar.
  7. Há uma nova série de inovações, que dá novo inicio ao ciclo.

Estamos numa fase de digestão da web.

Segundo Alex Iskold, para o blog Read Write Web, esta seria uma fase de digestão, na qual é preciso parar para refletir sobre as novas tecnologias e inovações que foram criadas e como elas podem trabalhar juntas. Ele diz que esta fase é uma conseqüência da explosão da mídia social e aponta os seguintes fatores como influenciadores desta nova era:

  • Banda Larga - facilitando o compartilhamento de mídias como video, fotos, podcasts, etc.
  • Ajax - sendo pioneiro em sites com experiência rica.
  • Social Networks - conectando as pessoas online.
  • Blogs - criando um novo canal de comunicação.

Mas a inovação não parou ainda.

O interessante é que nós ainda não chegamos a uma estagnação da inovação na web. No mundo inteiro (e a China é um exemplo notável) há grandes novidades aparecendo. Mesmo entre os grandes players há inovações como o Android (a plataforma criada pelo google para desenvolvimento de software para celulares) e o OpenSocial (a plataforma criada pelo google para desenvolvimento de software para redes sociais).

Desejamos ainda longa vida para esta era de inovação, mas quando (ou, se) vier de fato a fase de consolidação, que seja boa para todos. Enquanto isso, continuamos deslumbrados com as novidades da web, do universo mobile, da busca semântica, entre tantas outras…

[0 - ] taligado? Episódio Piloto do meu novo podcast com Marco Gomes.

taligado-logo.jpg

Eu e o Marco Gomes começamos um novo Podcast. O nome é taligado. Não é à toa que o nome e o formato parecem com o podcrer, o podcast do Vicente Tardin com o Michel Lent - dois dinossauros veteranos da internet brasileira. A vontade que tive de criar um podcast veio justamente ao ouvir a conversa entre os dois.

O processo de escrever uma idéia é naturalmente solitário, embora envolva um diálogo com o leitor, na medida em que o autor escreve algo que o leitor deve compreender - como bem explica São Bakhtin.

No entanto, falar sobre uma idéia é um processo naturalmente mais dialógico, mais comunitário, mais social. O advento dos celulares, no começo, causou estranhamento justamente por aparecerem pessoas “falando sozinhas” na rua. Da mesma maneira, eu me sentiria - sem desrespeitar os maravilhosos profissionais do rádio e ótimos podcasts individuais - um pouco tonto se tivesse que falar sozinho ao microfone.

Por isso gostei da idéia do podcrer, uma conversa entre dois caras que são amigos há um tempão, manjam muito de internet e comentam aquilo que acham interessante. Depois de ouvir algumas vezes, pensei em chamar o Marco Gomes para fazer um podcast assim comigo.

O motivo é mais ou menos óbvio: somos da mesma geração (de idade e de profissionais de internet), somos amigos já há um tempo (desde antes dele fazer o boo-box), e ambos fundamos startups de internet. Essa sinergia me pareceu muito boa, mas só o público dirá se o podcast é tão bom quanto :)

Nesse piloto nós conversamos sobre:

  • Abertura do Grafo Social e o OpenSocial do Google
  • As leis de direito autoral e o Copyleft
  • Startups no Brasil e o StartupCamp

Alguns links comentados (ou não) no podcast:

Qual é a melhor alternativa para monetizar o bom conteúdo?

Não é novidade pra ninguém que é possível viver de um blog. Mas acontece que a maioria dos blogs que realmente ganham dinheiro, o fazem através de programas de afiliados como o Google Adsense, Mercado Livre, Submarino, etc.

Aí começa o problema, se um blogueiro quer ganhar dinheiro desta maneira, deve saber que o tipo de leitor que mais clica neste tipo de anúncio são aqueles que vêm ao seu blog por acaso, procurando algo no google. São os paraquedistas. Aos poucos o blogueiro vai aprendendo que, se quer ganhar dinheiro de verdade, precisa escrever coisas que serão muito buscadas no google. Esses assuntos são os hypes.

Mas há blogueiros que não querem entrar nesse jogo. Que são donos do seu próprio meio de produção de conteúdo (seu blog), não se interessam em entrar nos meios da grande mídia tradicional e conservadora, querem se manter independentes, fazem um trabalho realmente de qualidade, focado no bom leitor, no leitor fiel que assina seu conteúdo por RSS. Pra estes, o jogo hype-google-paraquedista-adsense não funciona.

Como é que este tipo de blogueiro pode viver do seu trabalho?

Marx disse que “O escritor deve naturalmente ganhar dinheiro para poder viver e escrever, mas não deve em nenhum caso viver e escrever para ganhar dinheiro”. Quem pensa deste modo não consegue se adaptar ao modo de monetização dependente dos paraquetistas. Vejo duas alternativas interessantes.

Fomento do estado aos blogueiros.

Um é o proposto por Antonio Martins para o Le Monde Diplomatique. “Seria possível, por exemplo, multiplicar o número de produtores de conteúdo oferecendo bolsas àqueles cuja ação é reconhecida por suas comunidades – territoriais ou virtuais – como promotora de formação e informação. Isso incluiria blogueiros, produtores de vídeos, músicos que produzem de forma compartilhada, fotógrafos. Os beneficiados pela bolsa teriam como responsabilidade aprender continuamente novas técnicas, e transmiti-las na comunidade”.

Poderíamos dizer que o Estado não tem obrigação de dar dinheiro para os produtores independentes de conteúdo. Poderíamos também dizer que ele não tem dinheiro para isso. Não seria verdade. A verdade é que o Estado Brasileiro já gasta centenas de milhões de reais com os oligopólios da mídia tradicional em forma de veiculação de propaganda estatal e empréstimos subsidiados. Não seria uma revolução, seria apenas natural que o governo investisse nos pequenos produtores de conteúdo de qualidade.

Postagens pagas

Outro modelo seria o de aproveitar a experiência do blogueiro, seu conhecimento na sua área, seu contato direto com seu público, para criar um canal de comunicação entre uma marca e seus clientes potenciais. Isso pode ser feito desde a maneira mais tradicional, o banner, até o patrocínio direto de um blog ou serviço (como é o caso do overmundo) ou a postagem paga.

É bom lembrar que postagem paga não é opinião paga. É uma empresa pagando por um serviço: a divulgação do seu produto ou serviço, um formador-de-opinião-longtail falando da sua marca, o diálogo direto com o cliente, entre outros benefícios. Mais do que isso, é marketing relevante, já que a postagem será lida por pessoas realmente interessadas por aquele assunto - pois o blogueiro de tecnologia não vai fazer uma postagem paga sobre um produto que não tem nada a ver com sua área.

Enfim, além recomendar que leiam também os textos dos amigos do Nossa Opinião sobre este assunto, quero também saber a opinião de vocês sobre a melhor alternativa para monetizar o conteúdo de qualidade, e o que pensam sobre postagens pagas.

Gmail 2.0 | O computador novo que o Google me deu.

gmail.jpgBoa parte do meu trabalho diário é email. Não somente as respostas aos clientes, mas também os contatos, algumas informações vitais para trabalhos, briefings, etc, eu uso o gmail o dia todo. Quando quero parar de trabalhar, a primeira coisa que faço é fechar o gmail.

Meu novo computador.

Assim, agora com a nova versão do gmail, que está muito mais rápida (na minha percepção, pelo menos o dobro da velocidade), a impressão que eu tenho é a de que eu estou trabalhando em um computador novo e muito mais rápido.

Quando tudo está online, o que importa é a velocidade do software, não do computador.

Com a idéia de cloud computing (conforme nossos softwares migram do desktop para a web), essa é a nova relação que se estabelece: já não importa muito a velocidade do computador, importa a velocidade do software. E neste novo mundo, a parte da filosofia do google que diz “Fast is better than slow” é muito, muito bem vinda.

É importante para eles, que usavam ajax desde antes do nome existir, que popularizaram com o google maps a idéia de carregar dados sem recarregar a página, continuar na frente mesmo depois que estas tecnologias já estão muito mais maduras e conhecidas.

O Bruno Torres reclamou pelo menos duas vezes no twitter que o novo gmail travou o firefox dele. Comigo também aconteceu. Mas eu acredito que seja um problema passageiro. Atualização: E continua acontecendo bastante. Se continuar, serei obrigado a voltar para a versão anterior - entre o rápido travando e o lento estável, prefiro o último. No fórum do gmail não há nenhuma resposta, a orientação é esperar que a migração para a nova interface termine, o que deve levar aproximadamente um mês (!). Paciência.

Mute - o fim daquelas intermináveis conversas “para todos”.

Sabe quando um amigo manda uma piadinha “para todos” e “todos” começam a responder com gracinhas “para todos”? Às vezes é legal, mas geralmente não. Agora o gmail tem uma funcionalidade chamada “mute”, que faz com que todas as próximas mensagens de uma mesma conversa não cheguem mais ao inbox, indo direto para a pasta onde estiver aquela conversa, como se você tivesse criado um filtro.

E por falar em filtro, agora o gmail também ajuda a criar novos filtros a partir de uma mensagem.

Há também uma série de novos atalhos de teclado, por exemplo “]” que arquiva a mensagem atual e vai para a próxima imediatamente.

Outra coisa muito importante é que finalmente o gmail aprendeu a não quebrar o navegador: agora pode-se colocar uma label ou uma mensagem nos favoritos e acessa-las diretamente.

Acesso via IMAP facilita a vida de quem tem celulares bacanas.

Outra coisa que faltava no gmail e recentemente foi adicionada é o acesso via IMAP - com ele você configura seu gmail em um software qualquer (como no seu celular) e ele mostra todas as suas pastas e repete no servidor tudo que você fizer.

Por exemplo, se você deletar ou mover para uma determinada pasta uma mensagem no software desktop, ela é deletada ou movida na versão web também. Poder esvaziar a sua caixa de entrada na fila do banco, sem bagunçar toda a organização dos seus emails é algo realmente sensacional.

Somente agora o gerenciador de contatos ficou realmente bom.

Me parece que a tela de contatos do gmail está seguindo a filosofia da apple, de ir filtrando os itens conforme você vai descendo os níveis. Assim como no iTunes assim que eu clico no gênero rock são mostrados somente artistas, albuns e músicas deste gênero (e assim por diante), no novo gmail basta clicar em um grupo de contatos e aparecem somente os contatos daquele grupo, clicando em um contato, imediatamente aparecem os dados do contato.

O mesmo gerenciador de contatos também pode ser visto em outros aplicativos do google, como no google docs por exemplo. E você pode escolher uma imagem para um contato, adicionando do seu computador e recortando, ou da web, ou do picasa…

gmail-newer-version-4.png

Aplicativo Web mais rápido que desktop?

Enfim, por mais que algumas pessoas ainda acreditem que clientes de email no desktop são mais rápidos, eu acredito que cada dia mais será difícil para eles competirem com softwares online como o gmail. Email é um tipo de informação que é produzida online, em rede, coisa muito diferente de uma foto, um vídeo ou um texto, me parece natural que ele permaneça online.

Vamos ver agora para onde o gmail vai continuar melhorando -uma versão que funcione offline, com o google gears, talvez.

Paraná Júnior 2007

Amanhã eu vou ministrar uma palestra no Paraná Júnior, o maior evento do estado do Paraná para empresários juniores. O evento tem por característica principal a participação de empresários juniores de todo o estado, que aproveitam o momento para trocar experiências, contatos e se capacitar.

A temática de 2007 será: “Core Business: Seu negócio, sua estratégia. Da academia para a gestão de negócios” e abordará assuntos como Balanced Score Card, Planejamento Estratégico, Gestão de Competências, Coaching, entre outros.

O tema da minha palestra: Web 2.0 e Comunicação.

Como aproveitar as novas tecnologias e conceitos da Web 2.0, como wikis, blogs corporativos, blogs internos, aplicativos web e aproveitar a inteligência coletiva para melhorar a comunicação da empresa com seus colaboradores e seus clientes.


SEO básico do Wordpress é ideal para pequenos negócios.

Meu irmão não é do ramo de internet, mas de elétrica. Ainda assim, ele resolveu fazer um site para um amigo dele, que tem uma tapeçaria. Como não sabe fazer design, nem programar, fez um blog no wordpress.com.

O ótimo SEO do wordpress ajuda pequenas empresas.

google_heart_wordpress.gif

Aí começa a parte interessante dessa história: quando alguém busca por Tapeçaria em Guarulhos no Google, o despretencioso blog que meu irmão fez para o amigo está em primeiro lugar.

O sistema do wordpress, por padrão, é muito bem otimizado para sites de busca e isso é um diferencial gigantesco para pequenos negócios, que não têm dinheiro para investir em internet - e às vezes em qualquer outro meio. Estar na primeira página do google para um determinado negócio vale ouro. No caso da tapeçaria do amigo do meu irmão, os pedidos de orçamento aumentaram muito.

Sem saber, ele faz marketing de performance.

Outra coisa interessante deste caso é que meu irmão, sem saber, está fazendo marketing de performance: ele ganha uma porcentagem sobre os negócios gerados pelo site que fez para o amigo. Este é o modelo de marketing mais corajoso: o compromisso com os resultados é tão sério que seus ganhos estão diretamente condicionados à qualidade do seu trabalho.

Wordpress é ótimo, mas não é a única solução.

Na minha opinião, o wordpress é o melhor sistema de gerenciamento de blogs. Mas eu vou além: com um algumas modificações, também encontramos nele um excelente sistema de gerenciamento de conteúdo para sites institucionais. Veja no nosso portifolio.

Mas não é necessário usar o wordpress para ter bons resultados de SEO. Basta um site com conteúdo de qualidade e que leve em consideração as melhores práticas de SEO. Na busca por Mão de Obra Elétrica o site da empresa Lumi Star, que nós fizemos sem usar nenhum CMS está na primeira página.

É possível ganhar dinheiro na internet sem gastar um tostão.

Essa experiência do meu irmão mostra como é possível para uma pequena empresa ter um site sem pagar nada e ainda estar na primeira página do google. Se o site for razoavelmente bem feito, simples, direto ao ponto, sem churumelos desnecessários, a empresa pode ter um bom aumento nos seus negócios.

É claro que, um pequeno investimento, para ter um site planejado por um designer pode melhorar ainda mais os resultados. Mas é possível investir na internet sem gastar nada e ainda ter bons resultados. E meu irmão, eletricista, está ganhando uns bons trocados como “webdesigner”.