Novo boo-box, para monetizar blogs

Semana passada estávamos conversando sobre monetização de blogs. Uma boa novidade, que nesta conversa passou batida, quando se trata deste assunto é o boo-box, que é uma ferramenta que ajuda os blogueiros a venderem produtos de sites como Amazon, que dão uma comissão ao blogueiro.

O Boo-box, que recentemente recebeu investimentos de US$ 300 mil, lançou hoje uma nova versão. O investimento será utilizado para financiar o estabelecimento do negócio e a expansão da sua linha de produtos.

Marco Gomes conta as novidades: “agora não tem mais dor pra inserir tags em seu conteúdo, com a extensão de Firefox (ou bookmarklet pra qualquer navegador) tudo fica 100 vezes mais rápido (sendo conservador). A instalação é feita com passo-a-passo, pra ajudar os não-nerds, o site está mais simples e mais objetivo”.

Entenda melhor como funciona o boo-box no vídeo abaixo.

Boo-box | Serviço brazuca integra seu blog com o Mercado Livre

boo-box.jpg

Ano passado eu reclamava que não havia nenhuma iniciativa de web 2.0 brasileira realmente revolucionária e com potencial para competir com os grandões no mundo inteiro. Eu dizia que nós temos a melhor publicidade, criatividade, ótimos programadores… o que faltava? Faltava iniciativa. Bem, faltava.

Conversei ontem com meu amigo Marco Gomes que é o desenvolvedor do boo-box, um excelente serviço que ajuda os blogueiros a monetizarem seu conteúdo.

O serviço foi, até onde eu sei, o primeiro brasileiro a chamar atenção do super-blog-sobre-web2.0 Techcrunch.com. E não foi só isso. Há mais uns 400 outros blogs e sites falando sobre “the new brazillian startup” (a nova empresa brasileira), em tantas línguas que meu navegador nem entende os caracteres de algumas.

Direção de arte, publicidade e programação impecáveis.

Não vou perder meu tempo explicando como funciona o serviço. Prefiro que você veja a excelente animação no site do serviço. É uma demonstração (vejam como se faz, gringos!) de que a web 2.0 não precisa ser minimalista no design, não precisa ter aquela carinha de interface feita por programadores, pode ter a riqueza visual que nossa cultura brasileira exige dos designers.

Até onde eu tenho acompanhado a programação também é bastante redonda, tudo funcionando direitinho, sem bugs, sem preguiça… Enfim, o Marco Gomes caprichou :)

NOVIDADE EM PRIMEIRA MÃO: Aperto de mãos com o Mercado Livre!

mercadolivreQuem já conhecia o boo-box antes de ler esta postagem sabia que eles já têm a ótima integração com a Amazon. Mas isso me incomodava bastante pois o brasileiro, geralmente, não gosta de comprar coisas na gringolândia. Mal temos uma cultura de comprar em sites brasileiros!

Gostamos mesmo é de comprar os usadinhos (ou novos tão baratos que duvidamos da procedência, mas compramos sem muita dor na consciência) do Mercado Livre. Com esta integração, o serviço ficou bem mais ao gosto do brasileiro. Pra melhorar, poderiam pensar em uma integração com o submarino também né.

Como você pode conferir na demonstração, a API do mercado livre é meio lentinha, e isso pode ser um problema sério para o sucesso do serviço no brasil.

Dá pra ver a identidade brasileira aí ?

Tenho visto que alguns dos novos e melhores serviços brasileiros de web 2.0 são mashups, programas que misturam coisas que antes estavam isoladas. Posso estar viajando, mas vejo aí um gostinho de brasilidade. A final, a mistura (de raça, de cor, de credos, de culturas, etc) é a brisa que o Brasil beija e balança.